Relvado de Mira

Projeto Relvado de MiraProjeto Relvado de Mira

❖ Relva DuVitor

Mais 20 ha de relvado nas dunas e pinhais de Mira reforçam a posição no sector da empresa Relva DuVitor, que iniciou a atividade no cultivo de relva em tapete em 2008.

Agora com 55 ha ocupados com produção de relva de tapete na zona Centro, o empresário Vi tem a produção também distribuída pelo Alentejo e Lisboa e Vale do Tejo, com 27 ha em Odemira e 11 ha em Almeirim.

O aumento da área de produção de relva de tapete e promoção da melhoria da eficiência do sistema de produção, tem previsto um investimento de 380 mil euros e uma ajuda pública de 152 mil euros, aproximadamente. O empresário dá assim continuidade aos dois investimentos realizados na Modernização e Capacitação das Empresas, no âmbito do PRODER, no valor de cerca de 593 mil euros e um apoio público de sensivelmente 163 mil euros.

Como se produz relva?

A produção de relva é efetuada em solos nivelados de textura arenosa, que facilitam o posterior enraizamento dos tapetes e a rápida e definitiva instalação dos relvados. A escolha das sementes privilegia uma mistura de 4 variedades (Festuca Arundinácea Stone Wall, Festuca Arundinácea RhizinsStar, Poa Pratensis Thermal Blue e Poa Pratensis Miracle.) O objetivo é salvaguardar uma rápida germinação, boa resistência ao pisoteio e rápida regeneração, boa capacidade de recuperação e tolerância às diferentes condições climatéricas.

Todo o processo - da sementeira à recolha - é mecanizado. Para que o relvado não fique danificado, os tratores têm pneus especiais que garantem uma melhor distribuição do peso e assim não deixarem marcas no terreno.

A sementeira é feita em duas épocas, de setembro a novembro e entre março e abril. Depois da sementeira é passado um rolo de quatro toneladas sobre o relvado e garantida a manutenção com a rega e os cortes para o tamanho de folha ideal. Um tapete de relva precisa de um ano para estar pronto.

Ana Sofia Vaz e Marco do Vale Matos